Câncer / Tratamento

Publicado em 22/10/2021

Revisado em 22/10/2021

Tratamentos orais para o câncer de mama fazem toda a diferença

Tratamento oral para o câncer de mama

 

No Brasil, o câncer de mama é o tipo de câncer mais incidente em mulheres de todas as regiões, após o câncer de pele não melanoma.  

O INCA – Instituto Nacional do Câncer – estima que por ano são diagnosticados 66 mil novos casos no país.  

Quando diagnosticado precocemente e tratado adequadamente, as chances de cura do câncer de mama são de 95%. No entanto, a curva de mortalidade vem aumentando no Brasil em relação aos países desenvolvidos. 

Essa curva crescente que preocupa mulheres e profissionais de saúde tem várias justificativas, boa parte delas são reflexo de políticas públicas de saúde equivocadas ou falhas. 

No Brasil há poucos mamógrafos em boas condições de funcionamento e muitos deles estão mal distribuídos entre as regiões do país. Além disso, o acesso das mulheres abaixo de 40 anos aos exames preventivos é baixo. No SUS, por exemplo, a mamografia está restrita à faixa dos 50 aos 69 anos. 

Por fim, mas não menos importante, está a questão do acesso ao tratamento adequado, o que inclui os tratamentos orais contra o câncer de mama. 

Quem acompanha as redes sociais do Instituto Vencer o Câncer, conhece nossa luta pelo Projeto de Lei 6330/19, que propõe o acesso rápido aos medicamentos orais contra o câncer, por conta da segurança e eficácia que apresentam no tratamento de vários tipos de câncer, incluindo o tumor de mama. O PL foi vetado pelo Presidente da República em setembro e derrubada do veto está nas mãos de Senadores e Deputados. 

Lutamos desde 2018 pelas drogas orais por conta de sua eficácia e segurança, além de preservarem a qualidade de vida dos pacientes. 

Os medicamentos orais identificam e atacam as células cancerosas, sem prejudicar as saudáveis. Eles agem assim no tratamento de vários tipos de tumores, incluindo o de mama. 

Mas os tratamentos orais contra o câncer de mama não são iguais. 

Terapias-alvo

Existem as terapias-alvo que agem diretamente na proteína das células cancerosas, minando o crescimento do tumor. São altamente eficazes e efeitos colaterais, reduzidos. É muito importante conversar com seu médico para saber se essas drogas são indicadas para o seu tipo de tumor. Para isso, são necessários exames e biópsias bem específicos. 

Inibidores de CDK

Este tipo de terapia impede a atividade de enzimas que atuam na multiplicação de células cancerosas conhecidas como quinases dependentes de ciclina 4/6 (CDK 4/6). 

Os inibidores das enzimas CDK4 e CDK6 são utilizados para o tratamento de um dos tipos de câncer de mama mais comum, o RH+/HER2-.  

Assim como as terapias-alvo o uso dos inibidores de CDK4 e CDK6 depende de uma boa avaliação do seu médico. 

Os medicamentos orais contra o câncer são um grande avanço e fazem toda a diferença para o tratamento dos tumores de mama. O Outubro Rosa é uma grande oportunidade para lembrarmos aos parlamentares que o câncer de mama pode ser tratado com os antneoplásicos orais, mas para isso, eles precisam derrubar o veto ao PL 6330/19. 

Saiba mais e assine nossa petição #venceroveto