Câncer / Notícias

Publicado em 12/09/2022

Revisado em 12/09/2022

Ampliada vacinação contra HPV no SUS

Vacinação do HPV

 

Agora meninos de 9 e 10 anos também já podem ser vacinados gratuitamente

O Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde ampliou o público-alvo para vacinação contra o papilomavírus humano (HPV). A partir de agora, está igualada a indicação da vacina para meninos e meninas, de nove a 14 anos de idade. Antes a imunização para meninos era apenas na faixa etária de 11 a 14 anos e a das meninas era de nove a 14 anos. A coordenação do PNI também reforçou a importância de que sejam tomadas todas as medidas para que se aumente a adesão dos adolescentes à imunização.

“Cerca de 90% dos homens e 85% das mulheres vão ter contato com o HPV durante a vida e se infectar ao longo da vida pelo vírus que é transmitido, principalmente, por via sexual. Então, tanto meninas quanto os meninos têm risco de serem infectados e ambos os sexos devem ser imunizados”, enfatiza a oncologista Camilla Fogassa, médica do Hospital Israelita Albert Einstein e colaboradora do Instituto Vencer o Câncer. “Não existe um tratamento para eliminar o vírus, o que gera um aumento do risco de câncer. Por isso, a prevenção da infecção é muito importante.  E a forma mais eficiente para isso é a vacinação. A imunização é mais eficiente em quem ainda não teve contato com o vírus. Assim, a faixa etária escolhida pelo Ministério da Saúde como prioritária vai dos nove aos 14 anos”, explica Camilla.

No comunicado do PNI, com data de 30 de agosto de 2022, a coordenadora geral do Programa Nacional de Imunizações, Adriana Pontes Lucena, considera “as inúmeras evidências do impacto positivo da vacinação contra o HPV para a saúde dos adolescentes, a disponibilidade desse insumo e que o princípio da equidade entre homens e mulheres deve ser adotado nas recomendações de vacinação quando os dados científicos assim permitirem”.

O documento ressalta que a “vacinação contra o HPV em adolescentes é utilizada por mais de 100 países em programas nacionais de vacinação e vários deles já possuem estudos de impacto desta estratégia com resultados positivos no que diz respeito à prevenção e redução das doenças ocasionadas pelo vírus HPV, como câncer do colo do útero, vulva, vagina, região anal, pênis e orofaringe e verrugas genitais”. A mensagem, enfatiza, que “no entanto, apesar da segurança e efetividade dessa vacina, são preocupantes os dados de cobertura vacinal, especialmente os referentes a segunda dose e no sexo masculino, resultando assim, em um maior contingente de não vacinados no país, e sem a proteção devida para as infecções causadas pelo HPV e seus efeitos deletérios”.

A vacina contra o HPV começou a ser incorporada no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2014. Agora, passa a ser aplicada, em duas doses, em meninas e meninos, entre nove e 14 anos de idade (14 anos, 11 meses e 29 dias), e em grupos com condições clínicas especiais até os 45 anos (vivendo com HIV/AIDS, transplantados de órgãos sólidos ou medula óssea e pacientes oncológicos).

Para esses últimos, a vacinação acontece nos CRIES – Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. A (UBS) Unidade Básica de Saúde mais próxima à sua residência pode dar mais informações sobre local e horário dos centros.

O projeto Vacinar Hoje para um Futuro sem Câncer por HPV desenvolvido pelo Instituto Vencer o Câncer em parceria com a Associação Cedro do Líbano de Proteção à Infância, entende e analisa os gargalos locais para a resistência que, infelizmente, ainda existe à vacina contra o HPV no Brasil. Nosso propósito é o de replicar o modelo para a formação de pais, professores e adolescentes como agentes multiplicadores e mudar os índices de imunização, frequentemente abaixo do ideal para este público.

Saiba mais: https://vencerocancer.org.br/?s=HPV