Câncer / Notícias

Publicado em 12/05/2022

Revisado em 11/05/2022

Cuidados de enfermagem para pessoas com câncer

Cuidados de enfermagem para pessoas com câncer

No Dia Internacional da Enfermagem, o Instituto Vencer o Câncer homenageia estes profissionais essenciais no cuidado do paciente oncológico, com artigo da Abrenfoh – Associação Brasileira de Enfermagem em Oncologia e Onco-Hematologia

No mês de maio, mais especificamente no dia 12, é comemorado mundialmente o Dia do Enfermeiro. A data foi escolhida em homenagem a Florence Nightingale, marco da enfermagem moderna no mundo.

No Brasil, além do Dia do Enfermeiro, ficou instituída entre os dias 12 e 20 de maio, a Semana da Enfermagem, em homenagem a dois grandes personagens da enfermagem no mundo: Florence Nigthingale e Ana Néri, enfermeira brasileira e a primeira a se alistar voluntariamente em combates militares.

A enfermagem é uma profissão milenar e era uma referência feita a pessoas que cuidavam, protegiam e nutriam os convalescentes, idosos e deficientes. Durante séculos, a enfermagem foi se aprimorando e se tornando uma profissão baseada em ciência, com ações sistematizadas e inter-relacionadas, sem perder, entretanto, sua essência do cuidado humanizado.

Atualmente, o enfermeiro é um ator essencial no processo de assistência ao ser humano, durante todas as fases da sua vida, em todos os ambientes, públicos ou privados, e em todo o processo saúde-doença. Na oncologia, especialidade destinada ao cuidado de pessoas com câncer, a atuação do enfermeiro é essencial para oferecer uma assistência integral e de qualidade.

O enfermeiro oncológico realiza os cuidados à pessoa com câncer em todas as fases do tratamento. Desde ações de prevenção, diagnóstico precoce da doença, durante as diversas fases do tratamento (quimioterapia, radioterapia e/ou cirurgia) e também nos cuidados paliativos.

A definição do melhor tratamento oncológico varia de pessoa para pessoa e leva em consideração características do tumor em si, como por exemplo, localização, tipo da célula e comprometimento à distância, assim também como características individuais do paciente, como idade e outras doenças pré-existentes.

O tratamento cirúrgico pode ser realizado tanto para diagnóstico (ex: biópsia) como para tratamento do câncer (retirada da mama). O enfermeiro realiza cuidados antes, durante e após o procedimento cirúrgico. Antes da cirurgia, o enfermeiro realiza o preparo pré-operatório com objetivo de garantir a segurança do paciente durante o procedimento. Além disso, são fornecidas orientações pré-cirúrgicas que contribuirão para diminuir as dúvidas e ansiedades do paciente e da família e também a reabilitação pós-operatória. Se a cirurgia demandar uso de curativos e/ou dispositivos transitórios, como drenos; ou definitivos, como coletores para estomias, o enfermeiro poderá auxiliá-lo para melhor manejo e reabilitação.

A quimioterapia é um tratamento de efeito sistêmico, ou seja, que percorre todo o corpo. A quimioterapia pode ser administrada por via oral, intramuscular, subcutânea e endovenosa. O tratamento com quimioterapia é administrado exclusivamente pelo enfermeiro em ambulatórios e internações hospitalares. Durante todo esse acompanhamento, o enfermeiro também realiza orientações para a pessoa com câncer e seus familiares. Essas orientações contribuem para melhor adesão ao tratamento, prevenção das complicações e melhoria da qualidade de vida. Salienta-se que o enfermeiro faz intervenções individualizadas e específicas para o tratamento proposto baseadas no seu conhecimento técnico-científico.

Já a radioterapia é um tratamento de efeito localizado, no qual são utilizadas ondas de radiação ionizante com o objetivo de destruir as células do tumor ali existentes. Durante a radioterapia, o paciente será assistido pelo enfermeiro que fornecerá orientações e acompanhará os possíveis efeitos adversos. O enfermeiro ainda realiza intervenções para os pacientes com câncer portadores de ferida e/ou dispositivos como traqueostomia antes da realização da sessão de tratamento.

Os tratamentos acima podem ser realizados de forma isolada ou em combinação entre si, e em todas as fases o profissional enfermeiro está envolvido no cuidado destes pacientes. O enfermeiro é o profissional com o qual o paciente terá mais contato durante sua jornada. E junto com a equipe multiprofissional, detecta as alterações clínicas, psicológicas e nutricionais, proporcionando uma assistência digna, integral, com respeito e qualidade.

O enfermeiro está atento à prevenção de complicações, detecta precocemente os efeitos colaterais e adota condutas para controle dos sintomas da doença e tratamento. Além disso, se preocupa com os aspectos psicossociais da pessoa e sua família, proporcionando assim um cuidado diferenciado e especializado neste momento delicado de sua vida.

Por fim, quando os tratamentos disponíveis já não são mais suficientes para combater o câncer, o enfermeiro permanece junto aos pacientes e seus familiares realizando intervenções de cuidado paliativo com foco no controle de sintomas e na melhoria da qualidade de vida.

 

Fernanda Felipe Pautasso, Giselle Vaz Costa, Luciana Manfedrini, Simone Yuriko Kameo e Giovana Paula Rezende Simino são enfermeiras especialistas em Enfermagem em Oncologia e integrantes da Associação Brasileira de Enfermagem em Oncologia e Onco-Hematologia (Abrenfoh)