Dia a Dia do Paciente / Covid-19

Luciana Castelli Assmann

Publicado em 06/07/2021

Revisado em 06/07/2021

Pacientes oncológicos, em tratamento quimioterápico, estão se exercitando mais durante a pandemia

Pacientes oncológicos, em tratamento quimioterápico, estão se exercitando mais durante a pandemia

 

Durante o período de quimioterapia, é comum que muitos pacientes oncológicos preferem ficar mais reclusos e reservados em casa. Alguns por sentirem mais intensamente o desconforto dos efeitos colaterais, outros por causa da baixa imunidade. Portanto, uma grande parcela destes pacientes opta por não frequentar academias ou espaços públicos ao praticar exercícios neste período.

Devido às diversas restrições que evitam aglomerações e o consequente fechamento destes locais, a oferta por aulas de ginástica e treinos on-line cresceu muito. E, por conta disso, os pacientes simplesmente despertaram para a possibilidade de poderem se exercitar sem sair de casa.

Eu, pessoalmente, tenho acompanhado de perto este número de adeptos crescer dia após dia. Pacientes, que antes passavam horas em casa inativos, tem se exercitado regularmente em casa com resultados maravilhosos.

Durante a quimioterapia, sofremos alterações metabólicas relevantes e o exercício físico é capaz de equilibrar estas alterações e ser extremamente benéfico neste momento.

São claras as evidências da contribuição que o exercício oferece nas diferentes fases do tratamento. Desde o momento do diagnóstico, os pacientes oncológicos pode encontrar um suporte para enfrentar a doença no condicionamento físico. A atividade física, ao longo do tratamento, melhora a autoestima e a auto percepção. Além de reduzir as náuseas, também melhora a qualidade do sono e ajuda a controlar a ansiedade e a depressão. E, acima de tudo, é um forte aliado no fortalecimento do sistema imunológico, deixando o paciente menos vulnerável a outras doenças.

Embora o objetivo principal da prática destas atividades não seja o condicionamento físico, e sim o controle dos sintomas relacionados à doença e ao tratamento, tenho observado pacientes se tornarem verdadeiros atletas durante estes meses de treinamento e disciplina!

Devemos sempre enxergar na dificuldade uma oportunidade!!