Notice: Undefined variable: file in /home/u256097250/domains/vencerocancer.org.br/public_html/wp-content/plugins/fix-my-feed-rss-repair/rss-feed-fixr.php on line 14
Consumo de ultraprocessados estaria relacionado a 10% das mortes de adultos no Brasil | Vencer o Câncer - Vencer o Câncer

Dia a Dia do Paciente / Nutrição

Publicado em 20/01/2023

Revisado em 26/01/2023

Consumo de ultraprocessados estaria relacionado a 10% das mortes de adultos no Brasil

“57 mil mortes é um número bastante relevante. Colocando em contexto, por exemplo, são 10% das mortes prematuras por todas as causas. Entre a população brasileira de 30 a 69 anos, 10% das mortes são atribuídas a ultraprocessados. Se considerarmos dentro desses óbitos somente as doenças crônicas não transmissíveis preveníveis, já aumenta para mais de 20% o índice”. O alerta é feito por Eduardo Nilson, pesquisador do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde – Nupens/USP e da Fiocruz/Brasília e um dos autores do estudo que constatou que o consumo de ultraprocessados provoca cerca de 57 mil mortes por ano no Brasil. O trabalho, que calculou pela primeira vez o número de óbitos prematuros relacionados à ingestão destes alimentos no país, foi publicado no American Journal of Preventive Medicine

“Acreditamos que é um estudo inédito porque até então não havia, de nosso conhecimento pelo menos, nenhuma pesquisa internacional que tivesse construído uma modelagem matemática para estimar o impacto de ultraprocessados”, complementa o pesquisador, lembrando que existem análises que apontam possíveis riscos de consumo de ultraprocessados para o desenvolvimento de cânceres. 

“Vemos nas metanálises, mas ainda precisa aprimorar. Diferentemente de diabetes, doenças cardiovasculares e outros em que o desfecho é mais curto, com o câncer a consequência pode levar uma ou mais décadas. É uma resposta que provavelmente virá com mais estudos, números que mostrem relações mais diretas”, diz.

Para Eduardo Nilson, atualmente os dados podem ser inconclusivos pelo tempo de acompanhamento insuficiente, entretanto sabe-se que o tema é fundamental quando se trata de câncer. “Esperamos ter informações para modelar o impacto dos ultraprocessados sobre o câncer. É possível fazer isso indiretamente, com mecanismos que podem interferir nos casos de cânceres, mas com um estudo mais abrangente teremos maior precisão”. 

 

Por que os ultraprocessados são considerados nocivos para a saúde?

Ana Luísa Baccarin, oncologista do Instituto Ana Baccarin – Oncologia e Qualidade de Vida 

e pós graduada em Nutrologia, responde a essa questão destacando que os ultraprocessados, como o próprio nome diz, não são alimentos e sim produtos alimentícios que passaram por várias etapas de processamento industrial. 

“Isso implica na adição de substâncias artificiais (como corantes e conservantes) e também no acréscimo de mais açúcar, farinha e gordura, com o apelo de aumentar o sabor, tornando-os mais atrativos para a venda”, afirma. “Na grande maioria dos casos são produtos nutricionalmente muito pobres e de alto índice glicêmico, contribuindo assim para a ocorrência de doenças metabólicas como obesidade e diabetes”.

Eduardo Nilson acrescenta que, além do excesso de substâncias que geram impacto na saúde e de serem alimentos de alta densidade energética, os ultraprocessados mudam a matriz do alimento de tal maneira que modificam a absorção de nutrientes, e a grande exposição aos aditivos alimentares causa processos inflamatórios no organismo e altera a microbiota. “O alimento ultraprocessado é feito para ser hiper palatável, para mexer nos mecanismos de saciedade e ser consumido em excesso. As políticas públicas precisam olhar para tudo isso”.

Ana Baccarin chama atenção para o fato de que não existe um limite de segurança de consumo destes alimentos para não afetar a saúde. “Assim como o álcool e o cigarro, quanto menor o consumo, menores os riscos para a saúde. O ideal seria excluir totalmente os ultraprocessados da dieta”. A dica da oncologista para evitar esse tipo de alimento é simples: desembalar menos e descascar mais. “Ir mais à feira que ao supermercado já é um excelente começo para uma alimentação mais limpa”.

 

O que nos espera

O modelo desenvolvido para o estudo não serve apenas para medir a magnitude do problema, mas também para projetar cenários que apontam qual pode ser o futuro da saúde do brasileiro, dependendo dos hábitos, se houver aumento ou redução do consumo de ultraprocessados.

Eduardo Nilson detalha que foram realizadas várias análises e cenários com possíveis reduções de ultraprocessados, avaliando o impacto que teria em termos de vidas salvas, projeções que chegavam à redução de 10%, 20% e até 50% das mortes, por exemplo. “Uma baixa de 20% casa com o que foi o aumento de ultraprocessados na última década no Brasil, ou seja, se tivéssemos mantido o consumo naqueles níveis de dez anos atrás, quase 12 mil mortes seriam evitadas por ano. Infelizmente temos tendência de crescimento desse consumo, o que é mais preocupante ainda”.

 

Relevância das políticas públicas

A importância de trazer uma informação tão relevante associando o número de mortes ao consumo de alimentos ultraprocessados tem um objetivo maior, como ressalta Eduardo Nilson: “esperamos que isso incida numa forma de priorizar políticas no país”.

Ele explica que a primeira ação é uma reformulação mais ampla, porque a determinação de redução de sódio, gordura e açúcar tem efeito na diminuição do dano à saúde, mas o alimento não deixa de ser ultraprocessado. “Precisaria que as próprias indústrias trabalhassem usando ingredientes mais próximos dos produtos in natura, frescos, minimamente processados, reduzindo ou até eliminando o uso de aditivos alimentares, para que deixem de ser ultraprocessados”, afirma. “Vemos, por exemplo, bebidas lácteas e iogurtes com sabor de fruta, mas há diferenças entre os ingredientes. Enquanto o primeiro terá aditivos alimentares, soro de leite e outros ingredientes, o iogurte é um leite fermentado que pode ter adição de açúcar e fruta. São características diferentes que já existem no mercado”.

Com tantos detalhes fundamentais para entender como o alimento afeta a nossa saúde, ter informação para escolher o que comer é essencial. Por isso, o pesquisador defende políticas públicas que esclareçam e levem à população educação nutricional e sobre saúde alimentar, além de ações mais abrangentes. “A questão da educação e informação é importante, mas um componente até pequeno quando comparado com o que precisa ser feito no ambiente alimentar. As pessoas consomem os alimentos que estão mais disponíveis, o que implica custos e disponibilidade nas proximidades de casa”. 

Em relação ao preço, Eduardo Nilson destaca que há discussões sobre taxação de alimentos ultraprocessados e subsídios e ampliação de acesso aos alimentos in natura principalmente para a população mais vulnerável. “Sabemos que na periferia, nas favelas, é justamente onde ocorrem os excessos alimentares, a população tem menos acesso a esses alimentos frescos, o que traz inclusive componentes de desigualdade e iniquidade; o aumento de consumo de ultraprocessados é ainda maior na população mais pobre, porque esses produtos estão reduzindo muito de preço em relação aos alimentos frescos”. 

Ele aborda também a necessidade de trabalhar a publicidade de alimentos, principalmente para crianças e adolescentes, e a taxação de itens como refrigerantes e bebidas adoçadas, que já é realizada com êxito em alguns países. “Há ainda a questão da rotulagem frontal, que pode ajudar muito. Várias medidas administrativas em conjunto farão, no fundo, a grande mensagem, para que escolhas alimentares saudáveis sejam mais acessíveis”.

 

Rotulagem adequada para escolhas mais saudáveis

O pesquisador acredita que a rotulagem frontal aprovada pela Anvisa é importante, foi um grande passo, mas pode ter aperfeiçoamentos para que as pessoas tenham a real noção da qualidade nutricional do alimento e possam fazer escolhas mais saudáveis. “A rotulagem que temos atualmente aprovada trabalha com excesso de sódio, gorduras saturadas, açúcar adicionado, enquanto em outros países, como por exemplo no México e na Argentina, o rótulo tem mensagens de alerta também sobre o excesso de densidade energética do alimento e a presença de edulcorantes, ou seja, adoçantes artificiais”. 

Ele aponta que esses componentes adicionais ajudam a identificar melhor os ultraprocessados, ainda que indiretamente. “É importante que a Anvisa revise seu próprio perfil nutricional aplicado na rotulagem frontal, porque ele acaba filtrando muito menos alimentos do que o perfil de outros países, que utilizam a recomendação da Organização Panamericana de Saúde (Opas), que é o braço da Organização Mundial da Saúde nas Américas”. O perfil nutricional traz os limites de nutrientes para indicar o excesso de algum ingrediente. 

“O perfil aprovado pela Anvisa é muito mais permissivo, admite índices muito mais altos para rotular o excesso de algum ingrediente e como resultado temos menos produtos em que se aplica um perfil mais restritivo”.

Estudo da  Universidade de Nevada, Reno e da Opas, publicado no Lancet Regional Health Americas, indica que melhores práticas na rotulagem nutricional frontal podem ajudar a reduzir as doenças cardiovasculares, pressão alta, diabetes tipo 2 e alguns tipos de câncer. O trabalho analisou a evolução da adoção da rotulagem frontal na região – dos 35 países membros da Opas, 30 passaram a usar formalmente essa rotulagem.

Segundo a Opas, a rotulagem frontal ajuda “a população a entender o conteúdo nutricional dos produtos, reduzir o consumo de alimentos ultraprocessados e processados com excesso de gordura, açúcar e/ou sal e, em última instância, ajuda o consumidor a fazer escolhas mais saudáveis”.

Para quem quer entender melhor o que está comendo, a oncologista Anna Baccarin dá algumas dicas na hora de avaliar todo o rótulo e ingredientes de um alimento.

  • É importante procurar a tabela nutricional e a lista de ingredientes.
  • Na tabela nutricional, atentar-se para a densidade calórica, priorizando alimentos com menos calorias por porção de gramas. Por exemplo: uma tabela mostra que um produto tem 200 kcal por cada 50 gramas; outra semelhante mostra 400 kcal/50 gramas. Será menos pior escolher a de menor densidade calórica (200 kcal/50 gramas).
  • Também é importante olhar a distribuição de carboidratos, proteínas, gorduras e evitar o máximo possível gorduras trans.
  • Quanto às fibras, que também são descritas na tabela nutricional, quanto mais, melhor.
  • Já para a lista de ingredientes, uma dica prática e simples é simplesmente observar o número de ingredientes. Quanto maior o processo de artificialização, maior o tamanho da lista de ingredientes. E quanto maior a lista de ingredientes, mais distante esse produto está de ser um alimento saudável e verdadeiro.

 

Ultraprocessados e saúde

O trabalho do qual Eduardo Nilson participou utiliza um modelo matemático com análise comparativa considerando a exposição a alimentos ultraprocessados e o risco relativo, obtido através de estudos da literatura científica. O aumento de estudos populacionais com acompanhamento de grupos por longos períodos foi um dado chave para a construção do modelo, utilizando os parâmetros risco e exposição para estimar o impacto e percentual de desfechos de morte por todas as causas e de consumo de ultraprocessados de forma particular. “São estudos robustos que acompanharam por muito tempo e conseguiram isolar o impacto dos alimentos ultraprocessados em termos de mortes por todas as causas. Usamos os últimos dados disponíveis de mortalidade do Datasus, de 2019. Pensamos em fazer análises de séries históricas para avaliar o quanto vem crescendo ano a ano; sabemos que houve aumento de quase 20% na última década. Logo vamos mapear melhor essa tendência e determinar o que acontecerá no futuro se continuarmos com esses índices”.

Os próximos passos serão olhar especificamente sobre causas específicas de doenças. O grupo já lançou um artigo sobre doenças cardiovasculares e a ideia é seguir a análise para outros desfechos, para saber como os ultraprocessados afetam o desenvolvimento de diabetes, obesidade, doença renal crônica e até alguns tipos de câncer.

“O Guia Alimentar para a População Brasileira é um instrumento central tanto na informação para a população e os profissionais de saúde quanto indutor de políticas. As mensagens da publicação são as que se refletem no resultado dos nossos estudos, de que uma dieta deve ser baseada predominantemente em alimentos frescos e minimamente em processados, e alimentos ultraprocessados devem ser evitados. É fundamental frear esses índices e olhar para a alimentação como um componente essencial da nossa saúde e bem-estar”.