Dia a Dia do Paciente / Nutrição

Publicado em 06/02/2014

Revisado em 05/07/2015

Orientações sobre alimentação

Alguns tipos de câncer acarretam piora do estado nutricional. Isso pode ocorrer por diversos motivos:

  • O próprio tumor pode dificultar a alimentação, principalmente quando impede o uso adequado do trato digestivo devido a aftas, obstrução, compressão, náuseas, vômitos, distensão do abdômen, cólicas, diarreia, etc.
  • Muitos tumores alteram o metabolismo do paciente, aumentando suas necessidades de energia e proteínas e, ao mesmo tempo, reduzindo seu apetite.
  • Fatores psicológicos que causam depressão ligada ao diagnóstico ou recidiva do câncer são importantes na redução do apetite e da iniciativa para comer.
  • As modalidades terapêuticas necessárias, como cirurgia, quimioterapia e radioterapia, trazem efeitos colaterais temporários como náuseas, vômitos, diarreia, alteração do sabor dos alimentos e falta de apetite.

A desnutrição, por sua vez, aumenta as chances de complicações durante o tratamento do câncer, principalmente infecciosas, assim como diminui a tolerância dos pacientes aos tratamentos, formando um círculo vicioso muito perigoso: o tratamento piora a nutrição, e não comer bem piora a qualidade do tratamento.

Pequenas porções várias vezes

A manutenção do peso e a composição corporal são muito importantes, devendo fazer parte integrante do tratamento. Um nutricionista pode desenhar uma dieta que atenda às preferências e necessidades do paciente. Estratégias para aumentar a ingestão incluem dietas fracionadas (comer quantidades pequenas várias vezes ao dia, em vez de uma refeição maior de uma vez) e que contenham de forma agradável os nutrientes mais importantes.

[relacionados]

Suplementos

Para os pacientes muito inapetentes ou com dificuldade para ingerir alimentos sólidos, o uso de suplementos alimentares líquidos podem ser uma boa alternativa. Os suplementos podem ser ingeridos isoladamente, batidos com frutas e sorvete ou simplesmente tomados em pequenas quantidades junto com as medicações orais.

Hoje, existem também suplementos que contêm nutrientes especiais e certas proteínas que ajudam a manter o peso corporal em tratamentos para alguns tipos de tumores. O óleo de peixe, por exemplo, contém componentes que potencializam a ação de algumas drogas da quimioterapia, como o 5-fluorouracil, tornando-a mais efetiva. Entretanto, sua ingestão (como a de qualquer suplemento), tem de ser indicada pelo médico, pois em alguns casos pode resultar em efeito contrário.

Cirurgia

É muito importante que pacientes que vão se submeter a uma cirurgia e perderam muito peso alimentem-se adequadamente com dez a 15 dias de antecedência ao procedimento cirúrgico, desde que isso seja viável, ou que esse tempo de espera seja possível. Para os pacientes bem nutridos e que irão se submeter a cirurgia para retirada de tumores, há suplementos especiais que são tomados por cinco dias antes da cirurgia e que diminuem muito a chance de complicações infecciosas no pós-operatório.

Sondas

Quando o uso da via oral está impossibilitado (por exemplo, tumor que resulta em obstrução do trato gastrintestinal), deve-se lançar mão de sondas enterais que levam o alimento diretamente ao estômago ou intestino. Apenas quando o uso do trato digestivo é impossível ou parcialmente impossível deve-se associar a nutrição pela veia, visando manter ou recuperar o estado nutricional do paciente.

Familiares, sejam compreensivos

Dada a importância de se manter o estado nutricional do paciente e a dificuldade que ele tem para aceitar alimentos, é frequente que o ato de comer se torne uma obsessão para a família. Dessa forma, vira também uma tortura para o doente, comprometendo a harmonia familiar. É importante que se encontrem estratégias para que o paciente se alimente o melhor que puder fora de um ambiente angustiado que traga mais sofrimento a uma situação já bastante árdua. O bom senso e a opinião de especialistas no ramo podem ajudar muito.

Que especialistas podem ajudar?

Um nutricionista, um médico nutrólogo e mesmo o próprio oncologista ou cirurgião estão aptos a orientar o paciente nesses aspectos, escolhendo a melhor alternativa. Não deixe de pedir ajuda especificamente quanto à alimentação, é fundamental para um bom tratamento.