noticias-canal-anal / noticias-canal-anal

Tainah Medeiros

Publicado em 14/12/2015

Revisado em 07/03/2017

Chance de cura de Ana Maria Braga é próxima de 100%

“Fiz uma tomografia e quando saí disseram que acharam uma coisa pequena, e que era um início de um tumor cancerígeno. Vocês acompanharam a minha luta contra o câncer e e eu sei o que se passa quando se faz uma radioterapia, quimioterapia. É um risco que toda pessoa que fuma tem.” Foi assim que a apresentadora Ana Maria Braga, na manhã desta segunda (14/12/15), compartilhou sua luta contra um câncer de pulmão com os telespectadores do programa Mais Você, da Rede Globo.

Veja mais: Assista ao depoimento de Ana Maria Braga para o Vencer o Câncer

Veja mais: Entrevista com dr. Riad Younes: “Fumou, aumentou sua chance de ter câncer de pulmão”

Ex-fumante, Ana, que já enfrentou dois cânceres (de pele e de canal anal), descobriu em setembro um nódulo de somente 6 milímetros em seu pulmão. “Além de ser uma droga poderosa, (o cigarro) pode matar pessoas. E parar é muito mais difícil, porque as pessoas são dependentes. Fumei durante muitos anos e parei esse ano, em uma circunstância terrível.”, afirmou a apresentadora.

“A Ana teve muita sorte. O câncer de pulmão é incurável quando está em estágio avançado. No caso dela, foi diferente. O tumor foi detectado precocemente pela tomografia”, explicou dr. Antonio Carlos Buzaid, chefe-geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes da Beneficência Portuguesa de São Paulo, membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos fundadores do Instituto Vencer o Câncer.

Segundo o dr. Buzaid, as chances de cura são enormes quando diagnosticado precocemente. “A Ana já foi operada. Era um nódulo pequeno e bem localizado. Se esperasse os sintomas aparecerem, o caso ficaria mais complicado. Pode-se dizer que as chances de cura dela chegam bem próximas de 100%.”

Ana Maria Braga faz regularmente tomografias de rotina devido ao histórico de fumo, e o exame garantiu o diagnóstico precoce. A apresentadora revelou, também, que lutou contra o tabaco por muito tempo, chegando a tomar remédio e a usar adesivos, e que conseguiu se livrar do vício apenas em 2015 após o diagnóstico de câncer de pulmão. “Não sou de ferro, tenho problemas como qualquer outro. Me maltratei muito. É o preço que pago”, desabafou.

Câncer de pulmão

O cigarro é o principal responsável pela doença. Mais de 90% das pessoas que desenvolvem o tumor fumam ou fumaram no passado. A relação entre tabagismo e câncer de pulmão é tão forte que esse tumor era considerado raro até o início do século XX.

O câncer de pulmão é o mais frequente dos tumores malignos e o que mais leva a óbitos no mundo. Quando tratado na fase inicial, o índice de cura é bastante alto. Porém, como no início geralmente é assintomático, grande parte dos casos são diagnosticados em estágio avançados, quando a cura torna-se difícil. Desta forma, a principal medida para prevenir-se é a que sempre reforçamos: abandonar o tabagismo. Como alternativa, para detecção mais precoce, podem-se realizar tomografias de tórax com baixa dose de radiação anualmente.