noticias-linfomas / noticias-linfomas

Juliana Conte

Publicado em 16/09/2015

Revisado em 11/06/2019

Pacientes com linfoma demoram mais de 3 meses para iniciar tratamento

Febre que perdura por mais de uma semana e ocorre principalmente no final da tarde e início da noite, suor noturno — daqueles que encharcam os lençóis e travesseiros –, perda de peso sem motivo aparente e ínguas indolores na região da axila e da virilha. Quando tais sintomas tornam-se frequentes, é motivo de alerta e suspeita de linfoma.

Entretanto, por mais que o corpo emita sinais de que algo não vai bem, grande parte dos pacientes demora para tomar uma iniciativa e consultar um médico. A partir de uma pesquisa realizada pela Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia) com 1.455 portadores de linfoma, foi constatado que cerca de 70% desses pacientes demoraram mais de 3 meses para iniciar o tratamento, e a grande maioria demorou cerca de um mês a partir do início dos sintomas para procurar ajuda.

O estudo aponta também falta de informação sobre a doença. Dos entrevistados, 86% nunca tinham ouvido falar do linfoma antes do diagnóstico.

Assista ao depoimento de Samanta Viturino, diagnosticada com linfoma.

[relacionados]

O linfoma é um dos cânceres que tem mais incidência em adultos jovens, atingindo principalmente a faixa entre 25 e 30 anos. Surge quando um linfócito (tipo de glóbulo branco) se transforma em célula maligna, capaz de crescer descontroladamente e disseminar-se. A célula maligna começa a produzir cópias idênticas (clones) nos gânglios linfáticos (linfonodos), estruturas que filtram o fluido linfático, responsável por combater microrganismos . Com o passar do tempo, há risco de essas células malignas se disseminarem para tecidos vizinhos e, se não houver tratamento, atingir outras partes do corpo.

A boa notícia é que a maioria dos pacientes com linfoma de Hodgkin pode ser curada. O tratamento é baseado em quimioterapia, radioterapia e medicamentos chamados de anticorpos monoclonais. O transplante de medula óssea só é indicado quando o paciente não responde bem ao tratamento e se já houver um doador compatível.