Tipos de câncer / Câncer de cólon e de reto



Câncer colorretal | Recaída

 

A análise de certas características permite avaliar o grau de agressividade e o risco de recidiva da doença. É necessário avaliar, entre outros fatores, o grau de diferenciação, a invasão dos vasos sanguíneos, as margens cirúrgicas e se há obstrução ou perfuração intestinal.

 

Grau de diferenciação

No exame do tumor, o patologista analisa ao microscópio as características da célula maligna. Dizemos que uma célula maligna é bem diferenciada quando ela é mais parecida com a célula normal; quanto mais distorcida for sua arquitetura, mais indiferenciada ela será. Tumores com células mais bem diferenciadas costumam evoluir melhor do que aqueles com as indiferenciadas.

 

Invasão dos vasos sanguíneos

O risco de metástase é maior quando os tumores invadem os vasos sanguíneos que os nutrem.

 

Margens cirúrgicas

Quando sobram células malignas na margem cirúrgica, existe maior risco de recidiva na área da cirurgia.

 

Comprometimento dos linfonodos regionais

Quanto maior o número de linfonodos invadidos, pior o prognóstico.

 

Invasão de órgãos vizinhos

A invasão de órgãos vizinhos dificulta a extração (ou eliminação) total do tumor na cirurgia e diminui a chance de cura.

 

Obstrução ou perfuração intestinal

Tumores operados em caráter de urgência porque obstruíram e/ou perfuraram o intestino podem ter uma evolução mais desfavorável.

 

Valores do CEA (antígeno carcinoembriônico)

Valores elevados de CEA antes da cirurgia costumam estar associados a tumores mais agressivos.

Na tabela abaixo estão descritas as características favoráveis e as desfavoráveis da doença localizada.

 

Características para avaliar o risco de recidiva dos tumores localizados.

Características para avaliar o risco de recidiva dos tumores localizados.

 

Eventualmente, os tumores malignos do cólon e do reto podem ser curáveis mesmo quando existem metástases, desde que elas sejam removidas cirurgicamente. A chance de cura depende de vários fatores, como tamanho e número de metástases, presença ou não de metástases linfonodais, se as metástases apareceram juntamente com o tumor primário ou depois, se o valor do CEA está ou não elevado e se o tumor responde ou não à quimioterapia. Nessa outra tabela, descrevemos as características que guardam relação com os índices de cura nessas situações.

 

Características para avaliar o risco de recidiva depois da remoção das metástases.

Características para avaliar o risco de recidiva depois da remoção das metástases.