back to top

Você sabia que qualquer medicamento e tratamento que conhecemos e temos acesso hoje, um dia já foi um objeto de Pesquisa Clínica?

Para que possamos ter avanços científicos dentro do tratamento oncológico, e de qualquer outro segmento, é necessário que existam Centros de Pesquisa Clínicas estudando novos medicamentos e protocolos.

O que é Pesquisa Clínica?

A pesquisa clínica é um ramo da ciência médica que foca no estudo de novas formas de prevenir, diagnosticar e tratar doenças. No contexto do câncer, essas pesquisas são fundamentais para o desenvolvimento de novos medicamentos, terapias e tecnologias que podem salvar vidas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Por que a Pesquisa Clínica é importante?

Sem a pesquisa clínica, não teríamos as vacinas, medicamentos e terapias que salvam vidas hoje. A pesquisa clínica nos permite entender melhor as doenças e desenvolver novas formas de tratá-las, levando a avanços médicos que podem mudar o mundo.

Esperança para pacientes: oferece aos pacientes acesso a novas terapias que ainda não estão disponíveis no mercado, além de possibilitar que pessoas que não tinham acesso a tratamento de qualidade, tenham contato com o que há de melhor que a medicina pode oferecer;

Inovação: Permite o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes e com menos efeitos colaterais;

Avanço Científico: Contribui para a nossa compreensão sobre o câncer, levando a melhorias contínuas na prevenção, diagnóstico e tratamento.

Como funciona a Pesquisa Clínica?

Antes de qualquer teste em humanos, começa a pesquisa básica. Nesta fase, cientistas estudam novas ideias em laboratórios, utilizando células, tecidos e modelos computacionais. É o momento de entender como tratamentos potenciais podem agir no corpo e se são promissores para testes futuros. Após resultados positivos na pesquisa básica, o tratamento avança para os testes pré-clínicos, geralmente realizados em animais, seguindo toda a ética e rigor que este processo exige. Esses estudos ajudam a identificar se o tratamento é seguro e eficaz o suficiente para justificar testes em humanos.

A segurança dos participantes é sempre a prioridade. Todas as pesquisas clínicas são rigorosamente regulamentadas e monitoradas por comitês de ética e agências reguladoras para garantir que os direitos e bem-estar dos participantes sejam protegidos. Importante ressaltar que a participação em uma pesquisa é sempre voluntária.

Rede Vencer o Câncer de Pesquisa Clínica

Conheça nosso programa

O Instituto Vencer o Câncer, a partir do seu compromisso com o paciente oncológico e compromentimento com a promoção da saúde, amplia sua atuação por meio da expansão de Centros de Pesquisa Clínica no Brasil.

Aumentar a capilaridade dos Centros de Pesquisa Clínica no Brasil nos hospitais do SUS e filantrópicos, principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, regiões marcadas pela desigualdade no acesso à saúde, em comparação com o eixo Sul-Sudeste, é a nossa missão. Isso porque pacientes que não têm acesso a tratamentos de qualidade, passam a ter na medida que participam, de forma voluntária, de pesquisas de medicamentos que ainda não são comercializados.

Ainda, sabemos que o Brasil pode e deve contribuir muito com avanço científico mundial: o Brasil representa apenas 2% do que é feito no mundo da pesquisa. Isso é muito pouco, ainda mais considerando a grande miscigenação presente em território nacional. A diversidade aqui presente, é necessária para a realização de estudos e comprovação da eficácia dos medicamentos e tratamentos.

Para colaborar com os pontos acima, além de contribuir com a retenção de profissionais e possibilitar investimentos qualificados no país, o Instituto criou o programa “Rede Vencer o Câncer de Pesquisa Clínica”. Até o final do ano, seremos 20 Centros de Pesquisa que transformarão o acesso à saúde, por meio do avanço científico.

Já implementamos
06 Centros de Pesquisa pelo Brasil

Rede Vencer o Câncer de Pesquisa Clínica

Como atuamos?

Para o atingimento da nossa missão, de transformar o acesso à saúde, por meio do avanço cientifico, precisamos envolver todo o ecossistema. A seguir, nossos pilares de atuação:

Relacionamento com Hospitais: Implementação de centros em Hospitais SUS e Filantrópicos, capacitação da equipe, apoio na infraestrutura, manutenção, criação de rede entre os centros para troca de experiências e apoios institucionais, recrutamento de novos estudos e pacientes, e uso de tecnologia avançada para a gestão de dados;

Comunidade: Estratégias de educação para a população e comunicação, com objetivo de aumentar a conscientização e o envolvimento do público com a pesquisa clínica.

Poder Público: Atuação em advocay em nível regional e nacional para apoiar a pesquisa clínica, por meio de legislação favorável, financiamento e políticas que facilitem a realização de estudos clínicos e avanços na saúde no país;

Indústria Farmacêutica: Relacionamento com a indústria para identificação de demandas específicas, e a criação de conexões para desenvolvimento de novos estudos;

Investidores: Relacionamento com empresas e pessoas físicas que contribuem com o tratamento de pessoas com câncer e avanço científico, por meio de relatórios periódicos e realização de eventos.

Vamos juntos chegar em 20 centros em 2024?

Notícias - Pesquisa Clínica

Dra. Poliana Signorini, pesquisadora em Manaus, fala sobre a importância da pesquisa clínica no Norte do Brasil

A oncologista Poliana Albuquerque Signorini, pesquisadora do Centro Integrado de Pesquisa da Amazônia (CINPAM), participou do podcast “Saúde Assistida”, no qual falou sobre a...

Pesquisas clínicas abrem janelas de oportunidades para pacientes viverem mais e melhor

Imunoterapia, terapia-alvo, terapia celular. Todas essas inovações que estão salvando e transformando vidas de pacientes oncológicos não seriam possíveis sem a realização de pesquisas...