Pular para o conteúdo principal
Compartilhe:

Danilo de Freitas Maciel 

Janeiro Branco, campanha criada em 2014 com o objetivo de incentivar o cuidado com a saúde mental, melhorando o bem-estar e a qualidade de vida, surge como um farol de esperança para os pacientes oncológicos, oferecendo um olhar compassivo para além das salas de tratamento. 

A iniciativa deste mês representa não apenas uma conscientização sobre a saúde mental, mas uma oportunidade valiosa de transformar a jornada do paciente, proporcionando um cuidado biopsicossocioespiritual.

Diferentemente do Setembro Amarelo, que direciona suas atenções para um aspecto específico da saúde mental, o Janeiro Branco aborda de maneira abrangente o bem-estar psicológico. Enquanto setembro destaca-se pelo amarelo, simbolizando a prevenção ao suicídio, janeiro traz a reflexão sobre o cuidado psicológico, especialmente para aqueles que enfrentam a jornada desafiadora do câncer. 

No contexto oncológico, essa abordagem torna-se crucial, uma vez que o enfrentamento do câncer não se limita apenas aos aspectos físicos, mas impacta significativamente o estado emocional dos pacientes. 

O diagnóstico de câncer é um ponto de virada na vida de qualquer indivíduo, acarretando não apenas desafios físicos, mas também emocionais. É nesse contexto que o Janeiro Branco assume uma importância ímpar, ao colocar a saúde mental como parte integrante do tratamento oncológico. A ação proposta oferece ao paciente ferramentas valiosas para um cuidado mais abrangente. 

Sabemos que os desafios emocionais vivenciados pelos pacientes podem incluir ansiedade, medo, depressão e o impacto nas relações interpessoais. Nesse cenário, profissionais de saúde mental desempenham um papel fundamental, proporcionando suporte emocional e estratégias para lidar com as demandas psicológicas associadas à doença, por isso, ressalto a importância de procurar um psico-oncologista.

Ao abordar o Janeiro Branco, buscamos não apenas conscientizar sobre a importância da saúde mental, mas também desmistificar estigmas relacionados à busca por ajuda psicológica. Em muitos casos, pacientes oncológicos relutam em buscar suporte emocional, temendo o estigma do “psicólogo é coisa de doido”, ou subestimando a relevância desse cuidado para sua recuperação global. 

Nesse cenário surgem as dificuldades que temos em pedir ajuda, por parecer mostrar nosso lado frágil, quando na verdade o pedido de ajuda profissional é um ato de coragem e amor próprio. Quando estamos com sintomas físicos, procuramos um médico, certo? Para melhorar nosso condicionamento físico, procuramos um fisioterapeuta ou educador físico e com a nutricionista é a mesma dinâmica. 

Nesse sentido, a pergunta que fica é: porque é tão difícil aceitar o fato de que devemos buscar por um psicólogo?  A quebra de estigmas relacionados à busca por ajuda psicológica é um tópico crucial abordado pelo Janeiro Branco. 

Destacando a normalidade e a importância desse cuidado, a campanha visa eliminar barreiras culturais que muitas vezes impedem os pacientes de procurar apoio emocional, encorajando-os a buscar suporte sem receios. 

Atualmente, o Instituto Janeiro Branco realiza um trabalho sólido para ampliar a consciência, despertar, educar e desenvolver as pessoas em relação a como cuidar, proteger e gerenciar a saúde mental. 

No Brasil, centros de tratamento oncológico abraçam essa visão integradora, implementando programas que visam não apenas a cura física, mas a transformação positiva da experiência do paciente. Ao focar na saúde mental durante o Janeiro Branco, essas instituições fortalecem a qualidade de vida e a resiliência emocional daqueles que enfrentam o câncer.

Em resumo, o Janeiro Branco deste ano assume uma abordagem específica e sensível ao contexto dos pacientes oncológicos, reforçando a necessidade de promover a saúde mental como um elemento vital no enfrentamento do câncer. Ao abraçar essa causa, contribuímos para a construção de uma sociedade mais consciente e solidária, onde o cuidado integral à saúde abrange tanto o corpo quanto a mente.

Danilo de Freitas Maciel

Psico-Oncologista, Psicólogo Clínico e Hospitalar

Integrante do Comitê Científico do Instituto Vencer o Câncer e Psicólogo Hospitalar na Cruz Azul Saúde e Educação

CRP: 06/163055

Instagram: @psidanilofreitas

Compartilhe:

Categorias: CâncerDestaqueNotícias