noticias-cabeca-pescoco / noticias-cabeca-pescoco

Vasni de Araújo Brito Guedes

Publicado em 20/07/2021

Revisado em 20/07/2021

Câncer de Cabeça e Pescoço: Quais os tipos mais frequentes, suas causas e como prevenir?

Câncer de Cabeça e Pescoço: Quais os tipos mais frequentes, suas causas e como prevenir?

 

câncer de cabeça e pescoço (CCP) são os tumores malignos que atingem a cavidade nasal, seios da face (seios paranasais e órbitas), boca (cavidade oral), laringe ou faringe, a pele da face, do pescoço e do couro cabeludo; as neoplasias malignas das glândulas salivares e também o câncer da glândula tireoide e das paratireoides. Abordaremos mais especificamente o câncer de orofaringe (garganta) ou cavidade oral e o de laringe neste artigo.

No mundo, em 2018, foram estimados 246 mil casos novos de cânceres de língua e cavidade oral. Sendo mais comum em homens acima dos 40 anos.

No Brasil, o câncer de cavidade oral constitui-se o sexto tipo de câncer mais frequente em homens, segundo o INCA (2019). O câncer da boca pode afetar várias estruturas anatômicas como: lábios, gengivas, bochechas, céu da boca, língua (principalmente as bordas) e a região embaixo da língua. Em 2017, ocorreram 4.923 óbitos em homens e 1.372 óbitos em mulheres. O número de casos novos para este tipo de câncer, esperados no Brasil, para o triênio 2020-2022, será de 11.180 casos/ano em homens e de 4.010/ ano em mulheres.

Agora falando, em câncer de laringe, que também é considerado um tipo de câncer de cabeça e pescoço, espera-se para este triênio (2020-2022), 6.470 casos novos em homens e de 1.180 em mulheres. No Brasil, ocorreram, em 2017, 3.899 óbitos em homens e 602 óbitos em mulheres.

Os principais fatores de risco são tabaco (cigarros, charutos, cachimbos, narguilés e produtos feitos por rolos) e bebidas alcoólicas ( a combinação destes potencializa o desenvolvimento dessa doença , levando a um risco 30 vezes maior para os indivíduos que fumam e bebem do que para aquelas pessoas que não o fazem , este comportamento também está associado a casos de doença mais agressiva); o excesso de gordura corporal também é um fator de risco, a exposição ao sol sem proteção (importante risco para o câncer de lábio) , a exposição ocupacional a alguns elementos (como pó de madeira, produtos químicos utilizados na metalurgia, petróleo, plásticos, indústrias têxteis e o amianto) para o câncer de laringe e infecção pelo Vírus do Papiloma Humano, o HPV para câncer de orofaringe, sim, é o mesmo que pode ser encontrado no câncer de colo de útero.

Além da intensificação das campanhas contra o fumo e o álcool nos últimos anos, vemos a importância de falar do impacto do HPV nos carcinomas de cavidade oral e orofaringe. Em um período de 20 anos, a prevalência deste câncer relacionado ao HPV, avançou de menos de 20% para mais de 70% nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

O perfil destes pacientes, com câncer de cavidade oral associado ao HPV tende a ser caracterizado por um grupo de pacientes mais jovens, com menos de 50 anos, não fumantes ou fumantes ocasionais, não consumidores de álcool.

O HPV é uma infecção sexualmente transmitida; portanto, fatores como um início precoce da vida sexual, grande número de parceiros sexuais, a prática do sexo desprotegido e do sexo oral desprotegido foram incluídos como fatores de risco para infecção por esse vírus na mucosa da cavidade oral e orofaringe. O HPV também está associado à formação de células cancerígenas (carcinogênese) na cavidade oral e orofaringe, mais especificamente o HPV16 e o HPV18. O fato de haver dois subtipos de HPV mais relacionados ao CCP, pode nos mostrar o impacto positivo da vacina do HPV na prevenção desta doença.

A boa notícia é que os tumores de cabeça e pescoço quando são diagnosticados precocemente são muito curáveis. O tratamento depende de cada caso e houve evolução nos últimos anos. Existem, atualmente, tratamentos que evitam cirurgias mutilantes do ponto de vista estético e funcional, que envolvem radioterapia e quimioterapia e eventualmente drogas biológicas. Os tratamentos são efetivos para maioria dos pacientes com doença ainda localizada e em estádios iniciais e os avanços dos tratamentos reduziram muito os efeitos colaterais e hoje os pacientes têm mais qualidade de vida. O tratamento deste tipo de câncer, envolve diversos profissionais: oncologistas, radiologistas, físicos, enfermeiros e nutricionistas. Em alguns casos é necessário a reabilitação, situação que merece muita atenção. O fonoaudiólogo é um dos profissionais essenciais nessa fase.

É importante que tenhamos atitudes voltadas para prevenção do CCP e isso engloba:

  • Usar chapéu, boné, filtro solar e ter o hábito de evitar exposição nos horários de maior insolação, isto contribui para reduzir o risco de câncer de pele nesta região de cabeça e pescoço.
  • Evitar o tabaco: para os que fumam, devem interromper o hábito, procure ajuda médica se for o caso. Para quem não fuma, evite ambientes com fumaça de cigarro.
  • Evitar o consumo de álcool: suspender ou restringir o hábito a principal refeição do dia em pequena dose.
  • Para a prevenção do câncer de orofaringe é fundamental a prática do sexo de forma segura e muito importante a vacinação contra o HPV para as crianças de ambos os sexos, antes do início da vida sexualmente ativa.
  • A alimentação pode ajudar nessa prevenção, pois, alguns alimentos servem como protetores para estes tipos de tumores, como frutas frescas (não processadas ou secas), verduras folhosas, fontes de vitamina A (gema de ovos, óleo de peixe, alimentos ricos em carotenos com cenoura, manga e mamão) e fontes de vitamina C (como frutas cítricas por exemplo: laranja, acerola e outras).

Ter a informação e colocá-la em prática é um importante passo para a prevenção. Previna-se!

 

Enfª Vasni de Araújo Brito Guedes
Diretora Financeira da ABRENFOH – Associação Brasileira de Enfermagem em Oncologia e Onco-hematologia
Enfermeira especialista em Oncologia pela Universidade Federal de São Paulo
Especialista em Gerenciamento em Enfermagem pelo Centro Universitário SENAC
Enfermeira do Centro de Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz

 

Referências:

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020 : incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. – Rio de Janeiro: INCA, 2019.

Petito G, Carneiro MA, Santos SH, Silva AM, Alencar RC, Gontijo AP. Human papillomavirus in oral cavity and oropharynx carcinomas in the central region of Brazil. Braz J Otorhinolaryngol. 2017;83:38—44 .

Ana Lívia Silva Galbiatti, João Armando Padovani-Junior, José Victor Maníglia, Cléa Dometilde Soares Rodrigues, Érika Cristina Pavarino, Eny Maria Goloni-Bertollo. Câncer de cabeça e pescoço: causas, prevenção e tratamento. Braz J Otorhinolaryngol. 79 (2) • Abr 2013 •