noticias-colon-reto / noticias-colon-reto

Agência Onconews/Sergio Azman

Publicado em 15/09/2015

Revisado em 08/03/2017

Café diminui risco de câncer de cólon voltar

Um estudo publicado no Journal of Clinical Oncology sugere que pacientes com câncer de cólon que consomem bastante café têm um risco muito menor de retorno do câncer ou de morrer da doença do que aqueles que não têm o costume de ingerir a bebida. Os resultados mostraram que os benefícios começam a partir de duas a três xícaras de café por dia (risco 31% menor de recorrência ou morte), e aumentam no grupo que bebe quatro xícaras ou mais por dia (risco 52% menor de recorrência ou morte pela doença).

Vinho também parecer ser fator de proteção

Os pacientes que relataram o consumo de outras bebidas cafeinadas, como refrigerantes, tiveram um pior resultado. O café descafeinado e o chá também não produziram os mesmos benefícios.

O estudo acompanhou 953 pacientes com câncer de cólon estágio 3 que tinham sido tratados com cirurgia e quimioterapia. Os pacientes, recrutados entre 1999 e 2001, preencheram questionários de padrões alimentares detalhados, com informações sobre ingestão de alimentos e estilo de vida, durante a quimioterapia e seis meses depois. Os questionários abordavam a ingestão de café com cafeína ou descafeinado, chás de ervas e não-ervas, refrigerantes com cafeína e chocolate.

Os pesquisadores ajustaram os resultados para diferenças como gênero, idade, tabagismo, dieta, ingestão calórica, consumo de bebidas com açúcar e álcool, peso e atividade física.

Efeito protetor

A análise determinou que o risco reduzido associado ao café foi inteiramente relacionado à cafeína. Nos últimos anos, muitos estudos têm apontado benefícios do café para a saúde, sugerindo uma possível proteção ao diabetes tipo 2, bem como à redução de certos tipos de câncer, incluindo câncer de cólon. Os benefícios são geralmente atribuídos a propriedades antioxidantes e antiinflamatórias da bebida. Os pesquisadores acreditam que a cafeína aumenta a sensibilidade do organismo à insulina e pode reduzir a inflamação, que é um fator de risco para a diabetes e câncer.

A hipótese dos pesquisadores é que os fatores que aumentam o risco de diabetes tipo 2, como a obesidade, o sedentarismo e níveis elevados de insulina, também influenciam o câncer do cólon. “Os dados levam à conclusão de que a cafeína presente no café pode interferir na via do câncer de cólon. Mas precisamos de mais estudos para confirmar estes resultados em outras populações de pacientes”, afirma o oncologista Antonio Carlos Buzaid, chefe geral do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes.

O especialista acrescenta que até que mais pesquisas sejam realizadas, as pessoas não devem começar a beber café, caso não gostem ou não tenham esse hábito, ou aumentar sua ingestão, no caso dos apreciadores da bebida. “Se você gosta de desfrutar do seu café, continue. Mas caso não goste, existem outras coisas que você pode fazer, como evitar a obesidade, se exercitar regularmente e seguir uma dieta equilibrada, com pouco carboidrato”, acrescentou.