back to top

Câncer de ovário: uma doença silenciosa que merece mais atenção

spot_img

Maio é o mês de conscientização sobre o câncer de ovário, a segunda neoplasia ginecológica mais comum no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Só neste ano, 7.310 brasileiras devem receber o diagnóstico da doença. 

Estima-se que uma em cada 78 mulheres vai desenvolver o câncer de ovário ao longo da vida. De todos os tumores do aparelho feminino, esse é o mais difícil de ser diagnosticado. Em geral, de cada 10 pacientes, em oito a doença já se encontra avançada ao diagnóstico.

Os sinais mais comuns são inchaço persistente, dificuldade para se alimentar, dor pélvica ou abdominal, alteração do hábito intestinal e sintomas urinários.

O oncologista Fernando Maluf, fundador do Instituto Vencer o Câncer, ressalta que não existe um exame de rastreamento indicado para o câncer de ovário, o que dificulta o diagnóstico precoce. 

“Diferente do câncer de mama, para o qual temos mamografia e ultrassom, ou no caso do câncer do colo de útero, em que o exame físico e também o Papanicolau têm o mesmo objetivo, no câncer de ovário não há ainda nenhum exame de imagem ou de sangue que consiga fazer o diagnóstico precoce”, ressalta o médico. 

Por isso, é importante que a mulher esteja atenta aos sinais do corpo e procure orientação médica caso haja alguma alteração.

Quando há a suspeita de um tumor no ovário, a avaliação inicial pode ser realizada por ultrassom ou tomografia computadorizada do abdômen e pelve. A medição do marcador tumoral 125 auxilia o diagnóstico. A confirmação é feita a partir da biópsia do tecido ovariano.

Mulheres que nunca tiveram filho ou cujas gestações ocorrem após os 30 anos têm maior risco de desenvolver a doença. A menstruação precoce, a menopausa tardia e a obesidade também podem estar associadas a risco aumentado de câncer de ovário.

Fatores genéticos e hereditários, como quando ocorrem mutações em genes como o BRCA1 e BRCA2, que estão relacionados também ao risco elevado de câncer de mama, devem ser considerados.

Nos últimos anos, a Medicina evoluiu muito nos tratamentos disponíveis para câncer de ovário. A principal estratégia no tratamento do câncer de ovário é a cirurgia, que pode ser combinada à quimioterapia. 

Mais recentemente, os medicamentos conhecidos como Inibidores da PARP, que atuam no tratamento de casos onde há mutações genéticas estabelecidas, têm apresentado bons resultados.

“Nenhuma mulher fica para trás”

 

O Dia Mundial do Câncer de Ovário, em 8 de maio, representa uma grande mobilização internacional para lembrar a importância do conhecimento sobre os fatores de risco e o diagnóstico precoce.

O slogan da campanha, “Nenhuma mulher fica para trás”, é um chamado para incentivar a mulher a reconhecer alguns sinais do corpo e buscar atendimento caso note algum sintoma da doença.


O Instituto Vencer o Câncer compartilha informações sobre prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de ovário.


Além disso, disponibiliza uma cartilha com material educacional gratuito.

spot_img

Posts Relacionados

Posts populares no site

spot_img

Posts Populares na categoria