Pular para o conteúdo principal

Câncer de mama | Diagnóstico

Muitos dos nódulos encontrado na mama podem ser benignos. Por isso, antes de começar a tratar um tumor é necessário fazer biópsia do nódulo encontrado ou considerado suspeito. Após a biópsia, o material é encaminhado para o serviço de anatomia patológica, que irá definir características como tamanho do tumor, a presença ou não e número de linfonodos comprometidos, informações fundamentais para decidir qual a melhor estratégia de tratamento a seguir.

Tipos de biópsia

Tipos de biópsia de um nódulo suspeito na mama. Biópsia tipo excisional permite a remoção do tumor na íntegra (A). Biópsia por agulha fina obtém um conglomerado de células e permite, em geral, diferenciar o tumor benigno do maligno (B). Biópsia tipo core obtém um pequeno cilindro de tumor e permite análise mais detalhada das suas características (C). Biópsia por mamotomia pode ser guiada por um mamógrafo ou até mesmo por ultrassonografia. É particularmente útil em lesões muitos pequenas e obtém um cilindro de tumor bem maior que a biópsia tipo core (D).

Para refinar ainda mais o diagnóstico, realiza-se obrigatoriamente o exame imuno-histoquímico. Essa etapa deve ser feita em laboratórios de referência, pois é comum, no mundo todo, haver erros técnicos que podem levar a tratamentos inadequados.

Caso seja identificado o câncer, a paciente deve ser submetida a uma série de exames para compreender a dimensão do problema e elaborar a melhor forma de contra-ataque. Primeiro, é preciso identificar se a doença está localizada ou se já se espalhou para outros órgãos (metástase), principalmente quando há presença de tumores grandes ou que apresentam linfonodos na axila. O conjunto de análises laboratoriais e radiológicas que vai verificar tal quadro é chamado de estadiamento. Estadiar um caso de neoplasia maligna significa avaliar o seu grau de disseminação.

No caso de tumores pequenos, sem linfonodos palpáveis nas axilas, geralmente é pedido radiografia de tórax, ultrassonografia do abdome e cintilografia óssea. Quando os tumores de mama são maiores, com linfonodos grandes nas axilas ou quando existem sinais e sintomas sugestivos de metástase, como dores ósseas localizadas, icterícia (pele e mucosas amareladas) ou falta de ar, são necessários exames mais detalhados: tomografias, ressonâncias e, em casos especiais, PET-TC (tomografia computadorizada por emissão de pósitrons).

É importante ressaltar que, na maioria das pacientes, os exames de estadiamento não revelam metástases, a menos que ele seja muito grande ou a paciente apresente linfonodos nas axilas bastante comprometidos.

 


Dr. Antonio Buzaid

Selecione uma área para saber mais:

O que é

Saiba Mais

Prevenção

Saiba Mais

Fatores de risco

Saiba Mais

Sintomas

Saiba Mais

Tratamento

Saiba Mais

Recaída

Saiba Mais

Últimas notícias sobre câncer de mama

Destaque

Dr Fernando Maluf fala sobre diagnóstico e tratamento do câncer de mama, em série do Jornal Nacional

O Jornal Nacional, da Rede Globo, exibiu nesta semana uma série de reportagens com três capítulos sobre câncer de mama. A repórter Lilian Ribeiro destacou…
Câncer

Câncer de mama em homens: o que você precisa saber

Dra Maria Alzira Rocha O Novembro Azul é conhecido como o mês de conscientização sobre o câncer de próstata, o tumor mais incidente entre os…
Câncer

O que são inibidores de ciclina e como atuam no tratamento do câncer de mama  

Dr. Abraão Dornellas Os inibidores de ciclina são uma classe de medicações utilizada para o tratamento do câncer de mama com receptores hormonais positivos e…
Destaque
O que é a cirurgia preventiva em Oncologia
Destaque
Outubro Rosa para todas, da prevenção ao diagnóstico precoce e tratamento
Câncer
Outubro Rosa: entrevista com a Dra Debora na Band sobre conscientizar diagnóstico do câncer de mama